“Seus Bitcoins podem estar em risco”, diz ex-chefe de segurança de exchange brasileira

O texto sobre segurança dos bitcoins foi publicado em meados de novembro no Linkedin por Galeno Garbe
O texto foi publicado em meados de novembro no Linkedin por Galeno Garbe (Foto: Shutterstock)

Um ex-chefe de segurança de uma exchange brasileira de criptomoedas afirmou em um artigo que manter os ativos digitais como o bitcoin nas corretoras era um risco.

O texto, cujo título é “Cuidado, seus Bitcoins podem estar em risco!”, foi publicado em meados de novembro no Linkedin por Galeno Garbe. Segundo informações de sua página pessoal, ele foi chief security officer da Mercado Bitcoin entre novembro de 2017 e outubro de 2018 — data que bate com as demissões de 20 pessoas pela empresa. Antes, Garbe havia sido head de segurança de informação da Uber América Latina. 

O especialista em segurança não apontou para nenhuma empresa específica, mas afirmou que o ecossistema brasileiro estava em risco. “Comecei com uma preocupação relacionada ao péssimo momento que as exchanges, principalmente as brasileiras estão passando”, escreveu no início do artigo.

Como publicou o artigo antes da recente queda, durante um longo período de estabilidade do preço, ele afirmou: “As exchanges ganham dinheiro quando o preço cai, e mais ainda quando o preço sobe. Um cenário ruim para qualquer exchange, principalmente aquelas que possuem pouca ou quase nenhuma outra oferta de serviços a não ser o escambo comissionado, é exatamente essa calmaria nos preços. Sem haver variações significativas nas cotações das criptomoedas as exchanges agonizam para se manterem viáveis financeiramente”.

Por esses motivos, que se somam às recentes demissões do mercado, ele afirma que o setor está em crise: “Devido a crise quase que generalizada em que passam as exchanges, principalmente as brasileiras, manter seus ativos nessas exchanges é claramente um risco. Devemos saber ler e entender bem esses sinais”.

Garbe ainda cita um terceiro fator para sua análise do mercado: a disputa entre bancos e corretoras de criptomoedas:

“Praticamente todas as exchanges brasileiras estão operando suas contas bancárias através de liminar e essas estão caindo sob a argumentação dos grandes bancos. Talvez nem todos tenham se atentado ao risco que isso significa, por isso explico de uma forma assustadoramente mais clara e direta: Se as exchanges não tiverem banco pra operar, eles simplesmente fecham as portas (falando de suas operações)”.

Problemas no mercado brasileiro

O mercado brasileiro de exchanges não passa por um bom momento. Em novembro, divisão brasileira da Huobi demitiu seis dos 10 funcionários da operação nacional da exchange de criptomoedas.

Duas semanas antes, a corretora Mercado Bitcoin, a líder no segmento, confirmou a demissão de pelo menos 20 funcionários. A empresa demitiu profissionais que foram contratados de outras companhias há menos de seis meses. Há casos de pessoas que não completaram dois meses de casa.

Em agosto, a corretora brasileira de criptomoedas Foxbit diminuiu a equipe de Tecnologia de Informação. Um desenvolvedor pediu demissão e três foram demitidos, o que culminou com a paralisação no desenvolvimento da plataforma própria. Embora a informação tenha sido confirmada por cinco pessoas, a empresa não quis se posicionar.