Quem era e como operava a empresa de criptomoedas fechada pela Polícia Federal

Quem era e como operava a empresa de criptomoedas fechada pela Polícia Federal
Foto: Dilvulgação

A empresa de criptomoedas que teve 2,8 Bitcoins apreendidos pela “Operação Madoff” da Polícia Federal teve sua identidade vazada na quinta-feira (16) após o seu site sair do ar. Trata-se da Trader Group Investimentos, uma companhia que funcionava em shopping da cidade Serra, no Espírito Santo.

A empresa que era administrada por Wesley Binz teve seu site retirado do ar por ordem judicial e amanheceu nessa sexta-feira com a seguinte mensagem:

“Conteúdo removido por ordem judicial, Ref. IPL 0493/2018 DPF/SR/ES. Entrar em contato com Polícia Federal e Ministério Público Federal”.

A reportagem entrou em contato com a Polícia Federal para confirmar a informação. A PF, no entanto, por meio da sua assessoria de comunicação, afirma que “não pode revelar nome de envolvidos em investigação”.  

“Quando se amplia muito a informação, a investigação pode ficar comprometida. Todo inquérito policial é sigiloso e pertence apenas as partes envolvidas”.

A Polícia Federal, contudo, havia informado a cidade da operação no ES e que o site da empresa tinha sido retirado do ar.

O Portal do Bitcoin conversou com um trader que diz ter acompanhado a trajetória dessa empresa desde o início. A pessoa, que não quis se identificar, disse ter conhecido dono da Trader Group antes de existir essa empresa:

“Conheci o Wesley em grupos do Telegram em 2016. Ele demonstrava pouco conhecimento sobre como fazer trade naquele tempo. Mas todos estavam ainda no início”.

Ela conta que antes de fundar essa empresa Binz trabalhava no Sebrae e estava vislumbrado com a ideia de ganhar dinheiro a partir de investimentos com trading.

Crescendo com Bitcoin

De acordo com esse trader, que também mantém um grupo no Telegram, Binz conseguiu em um ano e meio crescer de forma espantosa e ter uma banca que ultrapassava a cifra de R$ 1 milhão, que foi feito com investimento de dinheiro de outras pessoas.

“Wesley criou essa Trader Group em meados de dezembro de 2017. Ele pegava dinheiro de outras pessoas para fazer render por mês. Depois que ele focou nessa empresa, chegou a ter uma banca de quase R$1,5 milhão”.

Altas promessas

O segredo do negócio era a promessa de altos rendimentos aos investidores. No relatório de performance referente aos meses de março e abril do ano passado, a empresa chegou apontou ganhos de 35,38% enquanto o Bitcoin estava em 16,05% negativo.

Investigação da Polícia Federal

A Polícia Federal na última quarta-feira (15) fez uma coletiva de imprensa, pela qual o delegado Guilherme Helmer chegou a pontuar que a empresa era suspeita de atuar num esquema conhecido como Ponzi, conforme foi publicado no Gazeta Online.

A empresa pegava o dinheiro de pessoas e aplicava em investimentos com bitcoins. No entanto, a polícia suspeita que o repasse dos lucros vinha de dinheiro de novos investidores e não do resultado dos investimentos em si.

Por meio da “Operação Madoff”, a PF conseguiu apreender 2.8 bitcoins e quatro carros de luxo. As criptomoedas foram transferidas para uma carteira própria da Polícia Federal e deverá ser usada para pagar os danos que a empresa causou.

 O delegado, contudo, entende que esses Bitcoins são pouca coisa para indenizar as vítimas que aplicaram dinheiro nessa empresa e algumas delas correm o risco de amargar no prejuízo. “Caberá à Justiça decidir como as pessoas serão ressarcidas”, afirma.

De acordo com informações do Gazeta Online, além dessas criptomoedas, a Polícia Federal também encontrou uma chave contendo mais de 4 mil bitcoins, o que pode chegar a até R$11,2 milhões. A questão é que a PF não tem provas de que esse montante pertence à empresa investigada.

Um fato curioso foi de que a Polícia encontrou também um testamento cerrado feito pelo próprio Wesley Binz, dono da empresa. Esse documento seria para garantir que os bitcoins seriam movimentados após sua morte.

O testamento cerrado tem como característica ser costurado e nele colocado um lacre de inviolabilidade. Tanto a costura quanto o lacre somente devem ser removidos após a morte do testador.

Sobre a Trader Group

Em janeiro do ano passado, o site ES Brasil publicou um texto divulgando a Trader Group como uma empresa de sucesso que estava em pleno crescimento com cerca de 950 clientes ativos de países como Estados Unidos, Nova Zelândia e Moçambique.

De acordo com o texto, a empresa dita 100% capixaba já atuava há um ano no mercado e almejava “conseguir aumentar a carteira da adesão em 2019”.

Ela anunciava que fazia oferta pública de investimentos com criptomoedas, mas ao se fazer a busca no site da Comissão de Valores Mobiliários, o Portal do Bitcoin não encontrou a Trader Group como uma empresa autorizada, o que pode trazer o risco dela atuar irregularmente no mercado.

O Ceo da empresa, que também é líder de igreja evangélica, trazia na época um discurso bastante atrativo. Binz dizia que aplicar em criptomoedas era vantajoso, mas “somente especialistas conseguem aproveitar bem essas oportunidades” e completava afirmando que as pessoas leigas corriam “o risco de perder todo o capital operando de forma errada”.


Compre criptomoedas na 3xBit

Inovação e segurança. Troque suas criptomoedas na corretora que mais inova do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://3xbit.com.br

Receba nossa Newsletter

Quer receber as principais notícias e análises? Coloque seu e-mail abaixo!