Previsão de 2019: as principais empresas poderão escolher entre IPOs e o mercado de criptomoedas

Esta é uma publicação paga. O Portal do Bitcoin não endossa e não é responsável por nenhum conteúdo, precisão, qualidade, publicidade, produtos ou outros materiais nessa publicação.

2019 pode estabelecer um recorde para o número de megaprojetos de tecnologia se preparando para seus IPOs. Na última vez, algo assim aconteceu em 2000, durante o boom das empresas pontocom: naquela época, as empresas conseguiram captar mais de US$ 108 bilhões. Especialistas do International Blockchain Research Center da ICOBox acreditam que no próximo ano essa marca tem o potencial de ser excedida várias vezes, apesar das expectativas pessimistas sobre o mercado de criptomoeda e os mercados financeiros globais.

Uber e Lyft, Zoom e Slack, Postmates e Instacart, CrowdStrike e Cloudflare, bem como Airbnb, Palantir Technologies e Pinterest: o valor total desses gigantes da indústria gira em torno de US$ 250 bilhões, e cada um deles pode estar realizando um IPO em 2019. Para comparar: em 2000, as maiores empresas que negociaram publicamente seus títulos foram a AT&T Wireless e a Palm, cuja valor combinado totalizou US$ 89 bilhões. Parece que as empresas de mega-tecnologia de hoje provavelmente terão muito mais sucesso, embora, de acordo com a Ernst & Young, nos primeiros três trimestres deste ano o número de Ofertas Públicas Iniciais nas bolsas mundiais tenha caído 18% no mesmo período em 2017, e 80% dos IPOs realizados em 2018 nos EUA falharam.

“Os investidores acreditam em “unicórnios”- grandes empresas que valem mais de US$ 1 bilhão. Unicórnios são os únicos capazes de atrair mais financiamento. Veja por si mesmo: enquanto o número total de IPOs conduzidas caiu, o montante de recursos arrecadados nos três primeiros trimestres de 2018 cresceu 9% e ultrapassou US$ 145 bilhões, conforme calculado pela Ernst & Young”, diz Daria Generalova, co-fundadora e Managing Partner na ICOBox. “A mesma tendência pode ser vista no cryptomarket, a propósito: o número de projetos caiu drasticamente, mas a quantidade de dinheiro que eles arrecadaram subiu. Isso nos diz que os problemas enfrentados pelos mercados tradicional e de criptomoeda são bastante semelhantes. Parece que hoje todos os investidores estão interessados ​​principalmente em grandes projetos implementados por uma equipe altamente profissional, que tem uma visão boa e sólida do desenvolvimento futuro do projeto”.

Os IPOs também estão atraindo o interesse de vários projetos relacionados a criptomoedas: Bitmain, Robinhood, Bitfury, Canaan Creative e Argo Blockchain sinalizaram publicamente sua intenção de entrar nas bolsas tradicionais. Especialistas do IBRC preveem que essa tendência será retomada por empresas que conduziram com sucesso seus ICOs em 2017-2018, estabeleceram um negócio lucrativo e provaram que não eram uma farsa.

“Isso significa que 2019-2020 pode ver inúmeras rodadas de equity, a serem seguidas em 2021-2022 por IPOs”, conclui Daria Generalova.

De acordo com a análise conduzida pela equipe do IBRC, o boom causado pelos IPOs dos gigantes da tecnologia também poderia abastecer o mercado clássico de ativos e, como acontece frequentemente, a indústria de criptografia logo entrará em cena.

E aqui está mais um fato digno de nota: as ranks das principais empresas que estão se preparando para seus IPOs não incluem virtualmente nenhuma startup no sentido clássico da palavra. A grande maioria são empresas bem estabelecidas que operam com sucesso no mercado há vários anos, cujo caminho para a negociação público era relativamente longo. Esse fator pode desencadear o novo pico no mercado de criptomoedas.

Nos últimos anos, o período de tempo entre o lançamento de uma fintech ou empresa de TI e seu IPO tem aumentado: em 1999, levou quatro anos em média, e no ambiente de hoje leva 11 anos. Isso pode levar a esperar que os projetos comecem a buscar meios confiáveis, porém mais rápidos, de atrair financiamento para financiar o desenvolvimento de linhas paralelas de produtos ou serviços.

“E é exatamente aí que eles podem ser ajudados pelo mercado de criptomoedas que está se reorganizando rapidamente, que está começando a oferecer soluções como Oferta de Token de Valor Mobiliário (STO) e Ofertas de Token Composto (CTO). Esses novos tipos de vendas permitirão aos emissores lançar suas campanhas de angariação de fundos mais rapidamente e ao mesmo tempo torná-las legalmente compatíveis, o que tornará o processo muito mais claro e confiável, dando uma vantagem óbvia sobre as ICOs”, explica Anar Babaev, especialista líder do IBRC.

Não é fácil prever quem exatamente entrará no mercado. A equipe do IBRC não tem dificuldade em imaginar que serão grandes empresas, como Facebook, Apple, Amazon, Netflix e Alphabet (empresa-mãe do Google). Primeiro, porque na última semana elas perderam US$ 1,02 trilhão de sua capitalização total por causa do pânico nos mercados de valores mobiliários quando os investidores reagiram à guerra comercial entre os EUA e a China. Em segundo lugar, todos eles, exceto a Netflix, expressaram consistentemente interesse em várias soluções oferecidas pela indústria de criptografia. E muitas vezes tudo o que é preciso para dar um passo importante para o futuro é apenas um empurrãozinho.