“Pelo amor de Deus, devolvam o dinheiro das pessoas”, diz líder da Unick Forex em Manaus

Irmãos Prata defendendo a empresa em um vídeo de janeiro (Foto: Reprodução/Youtube)

“A situação é crítica”. É assim que Marcelo Prata, um dos apoiadores da Unick Forex, define o momento atual da empresa que deixou claro que não vai pagar os rendimentos e apenas devolver o valor investido parcelado.

Seu irmão, Marcos Prata, do departamento jurídico da empresa, vai além de afirma que caso as pessoas entrem com ações contra a Unick, ela fecharia e não teria como pagar aos investidores.

Os irmãos Prata tiveram áudios vazados e veiculados em um canal de investimentos online no Youtube. Por meio desses dois áudios se nota que a situação da empresa está longe da ótima fase que Danter Silva, o diretor de marketing, afirmou recentemente.

Marcelo Prata, que chegou a levar a empresa para dentro de uma corporação militar e palestrou junto ao chefe do corpo de bombeiros sobre os rendimentos mágicos da Unick, hoje se mostra bastante preocupado com a situação.

Ele deixa escapar que há grande risco de a empresa aplicar um calote ao afirmar que “quanto aos patamares ouro e adiante nem que seja para pagar daqui a 40 anos ou em outra vida”.

Como líder de Manaus, Prata diz que não concorda com a decisão da empresa em fazer o parcelamento e apela para a cúpula da empresa para que devolva o dinheiro aos investidores sem parcelar.

“Eu como líder de Manaus estou pedindo pelo amor de Deus que façam isso. Eu sei que a empresa não pediu para ninguém vender casa, vendar carro ou para fazer empréstimo, mas acreditaram no projeto. Estou pedindo que a empresa priorize esses clientes que compraram esses pacotes e não receberam um centavo até agora e que libere os 100% numa parcela só”.

Unick Forex insustentável

Ele diz até que está disposto a abrir mão se seus saques e que isso foi algo decidido também por outros líderes do Norte do país. Ele apelou para que os líderes de outras regiões do país façam o mesmo.

“Eu gostaria, e eu falo em nome de todos os líderes do Norte do Brasil se tiver algum líder do Sul e do Sudeste que venha concordar com esse meu ponto de vista”.

O seu irmão, que ao lado de Fernando Lusvarghi compõe o departamento jurídico da Unick, nessa mesma linha tenta também convencer as chamadas “lideranças” a renunciar a seus ganhos para que os novos entrantes recebam.

Ele desaconselha os clientes a entrarem com ação judicial contra a Unick Forex sob o argumento de que esses processos além de demorar trazem o risco de a pessoa não receber o dinheiro que está preso e nisso solta que a empresa, com isso, fechará.

“O cliente que acha que a solução é judicializar está dando um tiro no pé. O que a Justiça faz aqui no Brasil? Ela bloqueia todos os valores, a empresa, claro, vai perder e vai fechar”.

O homem que afirma ter trabalhado por sete anos numa vara criminal argumenta ainda que “nenhum cliente vai ter de volta esses valores” e o motivo é que “muitos deles não terão como declarar a origem desse dinheiro”.

Palavra de especialistas

O Portal do Bitcoin conversou com dois advogados para saber até que ponto Prata tem razão.

Filipe Porto, advogado civilista do escritório Pereira, Porto e Penedo Advogados, aponta que a declaração feita por Marcos Prata além de ser um escárnio à Justiça brasileira se mostra como um verdadeiro atentado contra o direito constitucional de qualquer pessoa bater as portas do Judiciário.

 “É um desrespeito às garantias constitucionais do cidadão em promover uma ação e o escárnio obviamente com dignidade da Justiça, que num futuro processo se houver pode implicar em multa processual pelo CPC”

De acordo com Porto, essa é uma tática comumente usada por quem quer se eximir de pagar o que deve. Ele alerta que as pessoas devem ter atenção sobre em que está investindo o seu dinheiro, pois “nem sempre a Justiça consegue atingir o seu fim social”.

Apesar disso, Porto aponta que é cabível uma ação cautelar de cientes que se sintam prejudicados para “arrestar os bens que futuramente podem servir para indenizar as vítimas”.

Direito a valor corrigido

Nessa mesma linha Fernando Henrique Cardoso, advogado criminalista do escritório Cardoso, Siqueira & Linhares, afirma que o investidor que tendo aplicado o dinheiro de origem lícita e de boa fé tem o direito de sua devolução.

Cardoso, no entanto, chama a atenção para um detalhe. Caso o retorno dos rendimentos se dê por algo não regulado, haverá a discussão sobre esse rendimento apenas.

“Digamos que a pessoa invista R$ 15 mil e que esse valor suba para R$ 18 mil. Esses R$ 3 mil pode ter um eventual problema para se explicar a origem, mas o valor investido é o que tem origem”.

Os ganhos, segundo Cardoso, ainda teriam de ser algo analisado por um juiz e mesmo assim a devolução do dinheiro, mesmo que apenas do valor investido, não poderia se dar sem a devida correção.

Receba nossa Newsletter

Quer receber as principais notícias e análises? Coloque seu e-mail abaixo!