Próximos Passos das Criptomoedas: o Caminho da Educação

(Foto: Pixabay)

Na primeira parte discutimos a importância da relação entre o preço, ou seja o valor dos tokens (bitcoin e outras criptomoedas), e a influência que isso tem na percepção de poder dos detentores desses activos, como também os diferentes tipos de criptomoedas e o seu significado.

Posteriormente olhamos para o papel da regulação no mercado das criptomoedas e vamos agora analisar se a educação de investidores e usuários não poderá ser uma melhor alternativa à “proteção” destes agentes.

*Este artigo expressa apenas a minha opinião pessoal. Não serve, em qualquer circusntância, de aconselhamento financeiro. Cada um é sempre responsável pelo seu dinheiro e pelos seus investimentos.

Uma proposta ousada

Se os governos e entidades reguladoras trabalharem com os projetos que estão sendo criados em criptomoeda, para melhor conseguir categorizar cada um e perceber qual o propósito do token criado, talvez consigam mais facilmente identificar formas de passar conhecimento para os investidores, não só sobre os perigos deste mercado, mas também o que podem fazer para evitar ser enganados.

Se em vez de proibir, ou requisitar que os investidores se registrem para transacionar criptomoeda, que tal tomar as rédeas na área de educação?

Vamos tentar perceber como é que nós, como seres humanos que somos, conseguimos normalmente aprender. Para isso faz sentido identificar qual o método que consideram mais eficaz; será que aprendemos melhor quando:

  1. Nos dizem o que temos de fazer e nos mostram como fazer?
  2. Nos dizem o que fazer mas não como fazer?

Uma das propriedades mais interessantes do nosso comportamento é o facto do nosso cérebro não esquecer tanto os fracassos como os sucessos, isto é, quando cometemos um erro que nos custa caro muito certamente ficará gravado na nossa cabeça durante muito tempo.

Por isso dizemos que a melhor forma de aprender é falhando.  As pessoas muito inteligentes têm a capacidade de aprender com o falhanço dos outros, conteúdo tem de existir uma falha para que possamos compreender como melhorar.

O meu ponto é simples: ensinem às pessoas como investir, como encontrar o propósito e objectivo dos projetos, como analisar desenvolvimentos tecnológicos ou como fazer análise técnica do preço e volume; ensinem aos fundadores de projetos em criptomoedas que o objectivo de qualquer projeto terá sempre um cariz mais distributivo.

Se a ideia é apenas conseguir financiamento e centralizar toda a governança e infraestrutura num conjunto limitado de pessoas, então qual o propósito de criar uma criptomoeda?

Porque não mudar o foco de proibição para educação?

É claro que existe um limite para o bom senso, devendo sempre existir regras claras de como se pode proceder para participar neste mercado. Se falamos de criptomoedas públicas e transparentes, então não deverão existir barreiras, visto que nenhuma entidade nem agente controla a rede diretamente.

Caso o objeto sejam tokens com propósito de securitizar, distribuir rendimentos ou pagar juros, então devem existir regras claras do que deve ser feito pelas organizações responsáveis de modo a não ir de encontro as leis.

No final do dia preferimos bloquear as criptomoedas para proteger os usuários, ou deixar que existam falhas para o mercado aprender com elas?

*não me intrepretem mal, não sou maluco o suficiente para acreditar na natureza bondosa das pessoas e deixar o mercado autorregular-se. Contudo, gostaria de ver uma abordagem mais liberal.

Existem bastante razões para criar um ambiente nutritivo à regulamentação, algumas das quais até parecem vir de filmes de ficção científica, mas quem sou eu para julgar? Deixo essa parte para vocês, estimadíssimos leitores!

A teoria do Cartel

Alguns leram o post original, mas caso queiram ver uma análise em vídeo vejam esta feita pelo Cryptoinvestor, um dos meus canais de youtube preferidos. O importante é perceber que poderá existir um cartel composto de agentes poderosíssimos, que propositadamente fizeram cair o preço da bitcoin e do mercado em geral (depois de Janeiro 2018).

Eu entendo o argumento do autor, mas ao mesmo tempo parece que se esqueceu de referir que o preço da bitcoin já chegou a caír mais de 80%. Lembram-se do Mt.Gox? Se tinham lá dinheiro, com certeza que não se esqueceram!

Existem sem dúvida centenas de fatores que poderão levar o mercado a cair. Concordo que o mercado de futuros seja uma ótima plataforma de lançamento para práticas ilegais, corruptas e moralmente dúbias. Basta que Whales, ou seja investidores com grande capital no mercado, vendam uma parte grande do seu investimento perto da data de expiração dos contratos na CME.

O que acontece é que o preço da bitcoin caí de tal forma, que eles acabam por ganhar duplamente: ao venderem bitcoin e ao apostarem contra o preço futuro da bitcoin (através dos contratos futuros). Será que existe uma correlação absoluta? Não mas acredito 100% que:

 

Recorde os primeiros ensinamentos: todos os que ganham poder têm medo de o perder.

Na sequência do que vinha dizendo, tanto a família Rockefeller como o famoso investidor George Soros anúnciaram o mês passado que iriam entrar no mercado das criptomoedas. Obviamente que este anúncio significa que o verdadeiro investimento já deve ter acontecido há uns largos meses. Será que foram uma catapulta para toda esta comoção?

O mais importante é impor mecanismos regulatórios de identificação de investidores de acesso livre para todos. Caso isto não aconteça não vejo uma grande mudança no comportamento de grandes instituições, quer sejam elas reguladas ou não.

Esquemas

Não vou perder muito tempo a explicar o óbvio. Se precisam de alguns exemplos basta olhar para a seguinte lista: BitconnectGizaOneCoinAriseBenebit ou LoopX.

Todos eles foram esquemas elaborados de pirâmide para roubar dinheiro aos investidores.

Hacks

A criptomoeda tem uma relação muito interessante com hacks. Por ser uma nova tecnologia e porque é considerada a internet do dinheiro a blockchain e outras criptomoedas estão sujeitas a tentativas constantes de quebra da sua segurança. Na minha opinião isso não podia ser melhor! Significa que apenas os melhores projetos, com melhor segurança e tecnologia sobrevivem.

Como existe um motivo extremamente alto para roubar estes fundos (devido à dificuldade de saber quem está por detrás de certo endereço), só as criptomoedas com a resiliência do bitcoin acabam por sobreviver.

Manipulações de mercado

Para além da teoria do Cartel, existem outras provas mais concretas de influenciadores e investidores com muito capital, combinarem compras e vendas em larga escala, através do Telegram.

Esta prática, conhecida como Pump and Dump, acaba por ser absolutamente ilegal quando associada a um conluio de grandes nomes. Isto porque todas estas pessoas são responsáveis por grupos de investidores, o que significa que muito facilmente podem gerar um hype de procura/oferta.

Qual o melhor percurso?

Como expliquei não penso que impor regras de entrada no mercado de criptomoedas, seja a melhor solução. Se os endereços não são identificáveis, então não faz sentido bloquear agentes de transacionar com criptomoeda.

Criptoativos sim, deveriam ter regras para a aquisição, mas apenas se forem somente vistos como tokens para distribuição de ganhos financeiros. Qualquer utilidade que seja dada ao token, retira o propósito de ganho financeiro apenas; esse fato acaba por limitar bastante a atividade de entidades reguladoras.

Soluções como KYC e AML já são fortemente utilizadas nos dias de hoje e não promovem de forma alguma a transparência e cumprimento de regras, por parte de todos os agentes.

A criptomoeda devolve o poder às pessoas, visto que é uma moeda sem nacionalidade, fronteiras e leis, governo ou políticas monetárias. O seu uso, a procura e a oferta ditam o preço e não existe uma forma de controlar a sua emissão. Esta funcionalidade é algo de muito bom. Espero que tenhamos a capacidade de não a destruir.

Ninguém no mundo deveria estar condicionado a usar dinheiro que não quer usar. Eu aceito as consequências de usar uma moeda digital desregulamentada, mas é uma escolha minha. Tornar as criptomoedas ilegais só vai originar mais disputas em vez de cooperação. Não façamos isso.

Sejamos superiores!