Onda de demissões no setor de criptomoedas atinge grandes empresas no Brasil e no mundo

(Foto: Shutterstock)

A ConsenSys, empresa de tecnologia blockchain criada pelo cofundador do Ethereum, Joseph Lubin, vai demitir 13% de sua equipe, reportou a Coindesk na semana passada. Este é mais um episódio de uma série de demissões que vem ocorrendo no mercado de criptomoedas no Brasil e no mundo. 

De acordo com o site, o argumento usado pela empresa na decisão de diminuir o efetivo, é que a ação faz “parte de uma mudança estratégica mais ampla”. No total, irão para rua 156 funcionários.

Um comunicado sobre as mudanças enviado por email a seus 1.200 funcionários na semana passada anunciava o que estaria por vir.

“Os projetos continuarão a ser avaliados com rigor, já que a excelência técnica é um dos pilares da ConsenSys 2.0, juntamente com modelos inovadores de negócios de blockchain”, disse a ConsenSys na mensagem.

Parte da equipe foi prontamente dispensada após o anúncio, conforme relatos de funcionários ao site. Lubin já havia insinuado dias antes uma reestruturação na empresa.

Na ocasião, ele disse estar empolgado com a ConsenSys 2.0, mas que o primeiro passo para as mudanças seria difícil.

“Estamos examinando diferentes situações — algumas delas vão encolher e outras vão crescer. Não há nada que eu queira dizer concretamente sobre isso neste momento”, disse ele.

Outras demissões

No final de novembro, a Steemit, empresa responsável por seu famoso blog homônimo e que compensa seus colaboradores com a criptomoeda STEEM, reduziu sua equipe em 70% devido a uma “reorganização estrutural”.

De acordo com um comunicado do fundador e CEO da Steemit, Ned Scott, as mudanças são resultados da fraqueza do mercado de criptomoedas e que o retorno financeiro com o seu token nativo não está pagando os custos para manter colaboradores e serviços operacionais.

“Dada a fraqueza do mercado de criptomoedas, o retorno em fiat de nossa venda automatizada da STEEM tem diminuído e os custos com execução de nodes Steem crescidos e fomos forçados a demitir 70% da equipe”, diz o comunicado.

Em setembro, a exchange Kraken dispensou 57 funcionários de seu escritório no Canadá. A justificativa oficial foi que a corretora precisava reduzir custos e se alinhar com ritmo do crescimento da criptoeconomia.

Empresas de criptomoedas no Brasil

Em agosto, a corretora brasileira de criptomoedas Foxbit diminuiu a equipe de Tecnologia de Informação.

Um desenvolvedor pediu demissão e três foram demitidos — dentre eles, supostamente, estavam desenvolvedores que trabalhavam na criação da plataforma própria da empresa. Procurada, a empresa não quis comentar o assunto.

Em meio à crise, a corretora Mercado Bitcoin demitiu 20 funcionários em meados de outubro. A corretora confirmou a informação e disse, em nota, que “promoveu alterações em áreas de suporte (Marketing, RH e Administrativo), mantendo inalteradas as áreas fim da empresa (Tecnologia, Produtos e Atendimento ao Cliente)”.

O mais recente caso de demissões em exchanges no Brasil foi o da Huobi. A empresa demitiu seis de seus 10 funcionários depois de apenas cinco meses de operação. Conforme fontes ouvidas, os cargos gerenciais e operacionais foram os mais afetados.

“Foi uma ordem que veio da matriz”, disse uma das pessoas com quem a reportagem conversou.


BitcoinTrade

Baixe agora o aplicativo da melhor plataforma de criptomoedas do Brasil
Cadastre-se e confira todas as novidades da ferramenta, acesse: www.bitcointrade.com.br

Receba nossa Newsletter

Quer receber as principais notícias e análises? Coloque seu e-mail abaixo!