Oito pontos para explicar de forma simples a Libra, a moeda virtual do Facebook

Conheça a visão de Rodrigo Batista, o fundador do Mercado Bitcoin, sobre o projeto

Oito pontos para explicar de forma simples a Libra, moeda virtual do Facebook
Imagem: Shutterstock

A iniciativa de moeda virtual criada pelo Facebook foi finalmente revelada, após meses de especulação. A missão do projeto é “criar uma moeda global e uma infraestrutura financeira que dê poder a bilhões de pessoas”.

Seus criadores dizem também que o objetivo é “reinventar o dinheiro, transformar a economia global, para que as pessoas em todos os lugares possam ter vidas melhores”. É um plano ambicioso, que se bem executado pode transformar a história do dinheiro.

Entenda os principais pontos da iniciativa:

1 – É uma moeda estável

A emissão da Libra é garantida por depósitos de moedas fortes como o dólar. Diferentemente do Bitcoin e a primeira geração de moedas virtuais com valor na confiança do sistema. Dessa forma, a Libra tenderá a ter um valor que varie pouco, o que tornará possível usá-la no dia a dia. Esse tipo de moeda virtual com preço estável é conhecido como stablecoin (moedas estável).

2 – 100 grandes empresas são esperadas em 2020

Facebook criou a Libra, mas ela será mantida por diversas empresas chamadas de membros fundadores. A meta é que estas empresas cheguem a 100 até o meio de 2020. A lista de fundadores abaixo traz nomes de peso, mas notam-se ausências importantes: Nenhum banco está apoiando o projeto, nem gigantes como Google, Apple, ou Amazon:

Os fundadores da associação são:

  • Pagamentos : Mastercard, PayPal, PayU (Empresa de pagamentos do fundo Naspers), Stripe, Visa
  • Tecnologia: Booking, eBay, Facebook, Farfetch, Lyft, MercadoPago, Spotify, Uber
  • Telecomunicações : Iliad e Vodafone
  • Blockchain: Anchorage, Bison Trails, Coinbase e Xapo
  • Fundos: Andreessen Horowitz, Breakthrough Initiatives, Ribbit Capital, Thrive Capital, Union Square
  • ONGs: Creative Destruction Lab, Kiva, Mercy Corps, Women’s World Banking

3 – Facebook criou uma carteira digital para a Libra

Alem de liderar o desenvolvimento da moeda, o facebook criou também a Calibra, uma empresa independente que está lançando seu primeiro produto: uma carteira digital para que você possa usar suas Libras.
O site da carteira é o http://calibra.com

4 -Bolso fundo para ser do time de fundadores

Quer ajudar a manter a rede da nova moeda? É preciso ter bala na agulha para se juntar ao grupo das empresas fundadoras. Algumas dos critérios para as empresas candidatas são:

  • Ter valor de mercado de mais de um bilhão de dólares, ou maior que 500 milhões de dólares em saldos de clientes
  • Ter 20 milhões de clientes e atender mais de um país
  • Ser uma marca reconhecida globalmente, segundo os critérios que eles especificaram

Existem outros critérios para ONGs, empresas de criptomoedas e universidades. Mas é um clube bem seleto.

5 – Governos já estão preocupados

A Fundação Libra vai ter muito trabalho para convencer os legisladores globais. Os governos de França, Alemanha e Estados Unidos, entre outros, já se manifestaram no dia do lançamento da moeda, 18 de Junho, querendo explicações e trazendo preocupações à tona. Na visão destes dois governos é um risco uma empresa que não é financeira se metendo a ser um “banco global”.

6 – Facilidade de uso é chave

O mundo da tecnologia está discutindo se a tecnologia utilizada pela Libra é ou não blockchain, se a moeda é descentralizada ou não e se será aceita ou não.

Acredito que estas discussões são válidas. Mas para mim o principal ponto é: o Facebook, assim como diversas empresas que fazem parte do grupo fundador são famosos por criar produtos muito amigáveis e fáceis de usar.

O mundo das moedas virtuais ainda não conseguiu criar soluções que cheguem ao cotidiano das pessoas. Acredito que a facilidade de uso finalmente será criada no mundo das moedas virtuais graças à Libra.

7 – Mais do que moeda virtual

Dinheiro é só o começo. A Fundação Libra está criando uma estrutura genérica para diversos usos e não apenas moeda virtual. Em seu artigo inicial (whitepaper) eles já falam que criarão um banco de dados de identidades. Ou seja, a mesma estrutura vai ser usada para criar uma espécie de RG mundial, entre outras aplicações.

8 – Dinheiro na mão de todos

Por fim, em meu ponto de vista, ter uma moeda moeda virtual no WhatsApp, Facebook e Instagram tem mais a fazer pela inclusão bancária que qualquer outra iniciativa atual.

Sobre o autor

Rodrigo Batista é o fundador do Mercado Bitcoin, empresa que deixou em janeiro de 2019. É sócio-fundador da nTokens.com, empresa de stablecoins e tokenização de ativos criadora da stablecoin RealVirtual. Trabalhou no mercado financeiro por 18 anos e em 2012 migrou para o mundo cripto.

Receba nossa Newsletter

Quer receber as principais notícias e análises? Coloque seu e-mail abaixo!