Nascem mais de 700 criptomoedas em 2018; mercado já registra mais de 2 mil

(Foto: Shutterstock)

O mercado criptoeconômico presencia a maior alta de todos os tempos, mas não em valor e sim no número de criptomoedas. A plataforma líder de informação de dados do setor, CoinMarketCap, possui mais de 2.000 criptoativos registrados em seu sistema.

De acordo com um levantamento feito pelo Coindesk, foi em 3 de outubro que o mercado presenciou uma alta nunca vista antes, a de 2.000 criptomoedas no espaço criptoeconômico — 2.062 na quarta-feira (24).

Os dados revelam que houve um aumento de 3.000% no número de criptomoedas desde que o CoinMarketCap começou a rastreá-las, em 2013, onde havia apenas 66 criptoativos registrados.

Em conformidade com os números atuais, o site calculou que foram 422 criptomoedas listadas por ano, uma média de quase oito por semana.

(Foto: Reprodução)

A criação explosiva de criptomoedas é surpreendente para muitas pessoas, mas não para todas, diz a reportagem.

De fato, o fundador da CoinMarketCap, Brandon Chez, disse à CoinDesk que desde o início ele já previa um crescimento desenfreado.

Ele explicou:

“Era nítido que a idéia de criptomoedas não ia parar, especialmente por parte da comunidade emergente que se uniu em torno de uma promessa de um mundo criptoeconômico. Eu imaginei um número como este em um futuro próximo desde o início. É incrível ver que isso realmente aconteceu”.

Chez acredita que o significado do aumento do número de criptomoedas é bastante claro: a demanda por representação segura de valor.

“Isso é algo em que as criptomoedas e as tecnologias relacionadas se destacam. Então toda a indústria de criptomoedas definitivamente também se beneficiará com esse aumento”, disse ele.

Após quase um ano de sucessivas quedas nos preços das criptomoedas, que a história vai lembrar como “o amargo ano de 2018”, a pergunta é, se as más condições atuais do mercado vão afetar a criação de novos tokens.

E esta resposta o fundador já tem: ‘fadiga’. Chez acredita que já há um esgotamento visível, um desânimo para a criação de novos ativos.

“Eu acho que a indústria está fatigada com a criação de novos ativos nesse momento de baixa no mercado, sobretudo porque aquela febre das ICOs já passou”, disse o fundador.

No entanto, Chez disse estar otimista para 2019. Ele crê que como o tempo cura as feridas um mercado em alta também fará o mesmo.

Ele acrescentou:

“Presumindo um mercado em alta em 2019, espero que a criação de novos tokens volte a acelerar, já que as empresas estão dispostas a investir mais capital em novos projetos à medida que seus portfólios de criptoativos existentes se valorizam”.

Criptomoedas e valor de mercado

Mais surpreendente que o número de criptoativos criados, segundo a reportagem, é o aumento do valor de mercado (a capitalização total de todas as criptomoedas).

De acordo com dados históricos da plataforma, a capitalização do mercado foi de ‘apenas’ US$ 1,6 bilhão no primeiro mês de atividade do CoinMarketCap, em 2013.

Hoje, com um valor de mercado de mais de US$ 200 bilhões (US$ 210 bilhões nesta data) significa um aumento de mais de 13.000%.

Deve-se notar, diz a Coindesk, que a maior alta de todos os tempos na capitalização total de mercado foi de aproximadamente US$ 830 bilhões em janeiro deste ano. Isso representa surpreendentes 55.000% de crescimento.

Vale lembrar que o CoinMarketCap não lista todas as criptomoedas existentes. Alguns sites, como o CoinGecko, por exemplo, já rastreou cerca de 3.000 criptoativos.

A diferença entre as duas plataformas pode ser esclarecida na página de perguntas frequentes do CoinMarketCap que explica que para um token ser listado o projeto tem que obedecer a alguns requisitos, como estar listado em uma exchange pública e não ter volume de negociação igual a zero.


BitcoinTrade

Baixe agora o aplicativo da melhor plataforma de criptomoedas do Brasil
Cadastre-se e confira todas as novidades da ferramenta, acesse: www.bitcointrade.com.br
Siga também o nosso Instagram com análises diárias.

Receba nossa Newsletter

Quer receber as principais notícias e análises? Coloque seu e-mail abaixo!