Venezuela tenta resgatar US$ 1,2 bilhão em ouro e Banco Inglês não libera

O Banco da Inglaterra (BoE) ouviu seus homólogos americanos e não liberou US$ 1,2 bilhão em ouro para os agentes do ditador venezuelano Nicolás Maduro que tentavam repatriar a fortuna ao país, reportou o Bloomberg.

Maduro enfrenta pressão do líder da Assembleia, Juan Guaidó, que se declarou presidente interino do país.

De acordo com o site, a decisão do BoE de negar o pedido de retirada pelas autoridades de Maduro ocorreu depois que altos funcionários dos EUA persuadiram os britânicos a ajudar no corte de ativos de Maduro no exterior.

Segundo fonte anônimas citadas pela agência, dentre eles estava o secretário de Estado Michael Pompeo e o Conselheiro nacional de segurança John Bolton.

O Reino Unido seguiu os EUA e outros países na quarta-feira, reconhecendo Guaidó como o legítimo presidente da Venezuela.

O Brasil também apoiou a ação do oposicionista venezuelano e emitiu, via Ministério das Relações Exteriores, a seguinte nota no site do Itamaraty:

“O Brasil apoiará política e economicamente o processo de transição para que a democracia e a paz social voltem à Venezuela”.

A União Europeia (UE), no entanto, sinalizou reconhecer Guaidó a menos que uma eleição presidencial legítima seja convocada em oito dias.

A Rússia, que mantém uma boa relação com a Venezuela, continua reconhecendo Nicolás Maduro como presidente legítimo.

A verdade é que o cerco a Maduro aperta e o líder venezuelano não tem mais credibilidade diante de um país assolado pela hiperinflação.

Segundo a reportagem, a intenção dos EUA e Reino Unido é dar autoridade a Guaidó sobre os ativos venezuelanos para ajudá-lo a assumir o controle do governo, enfraquecendo, assim, o ditador.

No entanto, caso Guaidó assuma o poder, ele deverá não só comandar país, mas também convocar novas eleições.

Na tentativa de agradar a população, Maduro pediu para que incluíssem mais produtos na cesta básica que o governo distribui e aumentou o número de beneficiários, segundo reportagem da Folha.

“Tem carne e salsicha dessa vez, não dá para acreditar. Em geral essas cestas têm farinha, café, leite em pó, azeite e pouca coisa mais”, disse um beneficiário.

Em busca do ouro

No início de dezembro, autoridades do governo venezuelano teriam viajado para Londres para negociações com o BoE a fim de repatriar mais de US$ 500 milhões em ouro para Caracas.

Viajaram para a capital inglesa o ministro das Finanças, Simon Zerpa, que está sob sanção dos Estados Unidos por suspeita de corrupção, e o presidente do Banco Central, Calixto Ortega.

Desde então, Maduro está tentando trazer cerca de 14 toneladas de ouro de volta para a Venezuela por temer que possa ser pego em sanções internacionais, o que pode realmente estar acontecendo neste momento.

BoE não quis comentar

O Banco da Inglaterra se recusou a comentar sobre o manuseio de ativos venezuelanos e disse que fornece serviços bancários para um grande número de clientes e não comenta sobre nenhum desses relacionamentos, diz a reportagem.

Do lado dos EUA, Pompeo não se pronunciou, mas sim um porta-voz do Conselho de Segurança Nacional.

“Os EUA usarão suas ferramentas econômicas e diplomáticas para assegurar que as transações comerciais do governo venezuelano sejam consistentes com seu reconhecimento de Juan Guaidó como o presidente interino da Venezuela”.

CEO da exchange Kraken opina

Jesse Powell, CEO da Kraken, uma bolsa de criptomoedas sediada na Califórnia, tomou conhecimento da situação política e lembrou às partes a importância dos ativos descentralizados, como o Bitcoin.

“Se não é o seu cofre, não é o seu ouro”, escreveu Powell relembrando a famosa frase “se não são suas chaves, não é seu Bitcoin” de Andreas Antonopolous. O renomado evangelista do Bitcoin apresentou o slogan após a BitFinex ter perdido US$ 70 milhões em bitcoins.


BitcoinTrade

Baixe agora o aplicativo da melhor plataforma de criptomoedas do Brasil. Cadastre-se e confira todas as novidades da ferramenta, acesse: www.bitcointrade.com.br