Huobi é a primeira exchange de criptomoedas a criar comitê no Partido Comunista chinês

(Foto: Shutterstock)

A gigante exchange de criptomoedas Huobi, visando harmonia com o governo chinês, criou um comitê do Partido Comunista da China por meio da sua subsidiária ‘Beijing Lianhuo Information Service’, reportou o South China Morning Post nesta segunda-feira (19).

A Huobi, que é a terceira maior bolsa de criptomoedas do mundo, passa a ser a primeira do setor de blockchain a criar vínculo com o Partido que governa a China desde 1948. Agora a empresa vai ter colaboradores ligados ao governo e, portanto, vai receber alguns benefícios, diz o site.

O que acontece é que, segundo as leis do Partido Comunista, as empresas — particularmente as estatais — têm por obrigação abrir um comitê quando contratar pelo menos três funcionários membros do Partido a fim de se estabelecer como uma filial de ações políticas, diz a reportagem.

Embora a ordem não obrigue a contratação pelas empresas privadas, algumas empresas de capital fechado começaram a lançar comitês partidários nos últimos tempos a fim de formar laços mais profundos com o governo.

Isso já aconteceu com grandes empresas, como, por exemplo, o maior portal de serviços de internet da China, a Tencent, e a gigante chinesa Alibaba Group. Ambas empresas também têm seus comitês do Partido Comunista.

Li Lin, fundador e proprietários da Huobi, que disse que o lançamento do comitê é tido como um marco para a empresa, saudou o Partido Comunista por suas políticas amigáveis ​​em relação à indústria de blockchain, diz o site.

O novo papel a ser desempenhado agora pela Huobi foi descrito por um oficial do Partido Comunista.

Ele disse: “Precisamos reforçar a liderança política e levar adiante os princípios e políticas do partido em empresas privadas”.

A Huobi é um dos pesos-pesados do mercado internacional.

Atualmente, a exchange oscila entre a terceira e a quarta posição no ranking de maiores bolsas de criptomoedas do mundo em volume diário de transações, com cerca de US$ 900 milhões em negociações nas últimas 24 horas, segundo o CoinMarketCap.

Huobi no Brasil

Há uma semana, a Huobi Brasil — que vinha promovendo ações com distribuições gratuitas de criptomoedas, demitiu 6 dos 10 funcionários que trabalhavam na filial brasileira. Isso aconteceu após apenas cinco meses de operação nacional.

A informação de que houve desligamentos foi confirmada por telefone pelo CEO da empresa no Brasil, Frank Tao. Ele não quis comentar sobre os números.

China e Blockchain

O governo chinês tem sido amigável com blockchain, mas ainda mantém uma postura dura contra as criptomoedas.

Após a proibição do bitcoin e criptomoedas na China, a própria Huobi foi uma das empresas que deixou a China antes de se instalar em Cingapura, onde opera atualmente.

O Partido Comunista também ficou de olho em tudo o que era relacionado a criptomoedas, inclusive eventos locais. Segundo a CCN, avisos eram emitidos com frequência, aconselhando as pessoas a não participar de qualquer atividade no setor.

Ao mesmo tempo em que a China condena o bitcoin e as criptomoedas, se esforça para estabelecer o uso da tecnologia blockchain na indústria do país.

A prova disso é que mensalmente o Instituto de Pesquisa do Ministério da Indústria e da Informação da China (CCID) lança um relatório referente às funcionalidades de plataformas blockchains — que geralmente é liderada ou por Ethereum ou EOS.

No entanto, também há evidências de que o país deseja trabalhar em uma moeda digital nacional, visto que, recentemente, o Instituto de Pesquisa de Moedas Digitais do Banco Central da China (PBoC) abriu quatro vagas de trabalho para profissionais da área de finanças e criptomoedas.


BitcoinTrade

Baixe agora o aplicativo da melhor plataforma de criptomoedas do Brasil Cadastre-se e confira todas as novidades da ferramenta, acesse: www.bitcointrade.com.br

Receba nossa Newsletter

Quer receber as principais notícias e análises? Coloque seu e-mail abaixo!