Exchange brasileira de Bitcoin erra e emite nota de R$ 137 milhões em saque de R$ 500

(Foto: Shutterstock)

Uma ordem de R$ 500 virou um problema de R$ 137 milhões para um cliente de uma das principais exchanges brasileiras de Bitcoin. Kaique Nunes conta que no início do mês passado começou a receber ligações da corretora Bitcambio, onde ocorreu o erro.

“No início do mês passado, eu emiti algumas ordens de saque normais. Depois de um tempo, a Bitcambio me ligou para avisar que tinham emitido todo esse valor e que precisavam que eu reconhecesse um documento em cartório. Achei que era golpe”, disse Nunes ao Portal do Bitcoin.

Documento que mostra o erro na nota fiscal (Foto: Reprodução)

Ele desconfiou da ligação e achou que era um hacker que havia descoberto suas informações que estava tentado criar uma maneira de obter sua assinatura. Ou até mesmo um funcionário da empresa tentando dar um golpe interno. “Então eu nem dei bola. Ignorei”.

Conforme Kaique, a Bitcambio voltou a ligar mais vezes para lhe explicar a importância do procedimento. “Falaram que já tinham anulado, mas que para completar o processo era preciso ir ao cartório, reconhecer firma e um documento que eles mandaram por email”.

Nesta terça-feira (04), o cliente fez uma postagem na página pessoal do Facebook e no grupo de discussões Bitcoin Brasil — no qual fornecedor da plataforma da Bitcambio, Rodrigo Souza, é administrador. O empresário também é o dono da Blinktrade, que fornecia o sistema para a Foxbit até julho.

Na postagem, Souza reconheceu o erro da exchange e prometeu que o tempo perdido de Nunes seriam recompensado de alguma maneira. “Pessoas, o erro realmente aconteceu. O Kaique será reembolsado por todos os custos que ele tiver de ir no cartório para resolver esta merda. A Nota já está sendo cancelada”.

Na página pessoal do cliente, comentou: “Na Bitcambio é tudo feito estritamente dentro da lei. Erros acontecem, não temos medo de termos atenção deles”.

Souza disse ao Portal do Bitcoin que ocorreu um bug no processo da emissão das notas automáticas, o que gerou o problema. “Tentamos o cancelamento, mas a prefeitura exigiu a carta de anuência. Se fosse um valor mais baixo seria possível”.

Nunes afirmou que procedimento agora é reconhecer em cartório o pedido de anuência da anulação da nota, o que ele faria nesta quarta-feira (05).

“Só espero que a Receita Federal não venha bater na minha porta”, disse rindo.