Coreia do Sul Bane ICOs

O regulador financeiro da Coreia do Sul proibiu todas as ofertas iniciais de moeda (ICOs), após uma reunião para discutir controles sobre moedas virtuais.

A Comissão de Serviços Financeiros (FSC) disse que proíbe todas as formas do método de financiamento de blockchain “independentemente da terminologia técnica”. Além disso, negociações alavancadas também serão ilegais na sequência da decisão.

As ofertas de Tokens, o método de angariação de fundos que ganhou popularidade nos últimos meses, são excessivamente especulativos e constituem uma “violação da lei do mercado de capitais”, afirma o FSC. Uma “repressão intensiva” resultará, com “penas severas” emitidas às partes envolvidas em ofertas de ICOs.

Outras medidas, que provavelmente afetarão as empresas de criptomoedas mais amplamente, incluem inspeções no local pelo FSC a partir do final de setembro e a análise das contas de moeda virtual.

Além disso, o regulador irá rever as operações das empresas com a intenção de “rever e alterar termos e condições injustas, incluindo restrições arbitrárias de saques”.

Não está claro até que ponto a decisão se estenderá para as exchanges de criptomoedas, como foi visto na China. A Coreia do Sul viu recentemente um forte aumento no volume de negociação de criptomoedas. A exchange local, Bithumb, por exemplo, tem um volume comercial total diário de 104.113 BTC, ou US $ 427.533.000, de acordo com os dados do CoinMarketCap no horário da imprensa.

A declaração do FSC também cita uma onda de recentes prisões e fechamentos de empresas envolvidas com criptomoedas falsas, que aparentemente adquiriram 25 bilhões de KRW (US $ 22 milhões) de um total de cerca de 1.000 investidores. Devido a essa atividade criminosa, um novo “Centro de Detenção de Moedas Virtuais” foi criado.

A China vizinha também emitiu uma proibição total de ICOs no início deste mês, emitindo uma declaração regulatória que também levou ao fechamento de várias exchanges de criptomoedas.

Receba nossa Newsletter

Quer receber as principais notícias e análises? Coloque seu e-mail abaixo!