CEO da Covesting: “A era das exchanges de criptomoedas não licenciadas em breve chegará ao fim”

Esta é uma publicação paga. O Portal do Bitcoin não endossa e não é responsável por nenhum conteúdo, precisão, qualidade, publicidade, produtos ou outros materiais nessa publicação.

(Foto: Shutterstock)

Em seguida à notícia de que a SEC havia acusado o fundador da divisão de criptomoedas descentralizada EtherDelta de operar uma bolsa de valores não registrada, o CEO da Covesting, Dmitrij Pruglo, compartilhou alguns comentários antes do lançamento de sua plataforma, sobre o futuro da a indústria das criptomoedas. De acordo com o fundador da Covesting, a decisão da SEC de apresentar acusações contra o fundador da EtherDelta, Zachary Coburn, apesar de sem precedentes, foi previsível.

Obter uma licença e se cadastrar com um regulador financeiro é um processo difícil e tedioso, e a quantidade requisitos que as partes interessadas enfrentam é intimidadora e, muitas vezes, impede que eles tentem obter tais licenças. Muitas empresas não cumprem determinados requisitos de infraestrutura ou segurança e não têm o capital necessário para investir na elevação dos padrões operacionais. Outras vezes, preferem evitar completamente a supervisão dos reguladores financeiros, muitas vezes para seu próprio risco.

Esses dias estão chegando ao fim, de acordo com Dmitrij Pruglo, que diz que tomar medidas para se tornar regulamentado em breve se tornará “necessário” para todas as empresas que buscam oferecer moedas digitais. A notícia da repressão da SEC à EtherDelta é mais uma prova de que os comentários do CEO da Covesting serão verdadeiros nos próximos meses.

No exemplo de hoje, a SEC acusou Zachary Coburn, fundador da EtherDelta, uma plataforma de negociação descentralizada, de operar uma exchange de títulos não registrada. A ação de execução sem precedentes foi a primeira instância da SEC acusando uma corretora de criptomoedas de oferecer títulos ilegalmente. De acordo com o pedido da SEC, a EtherDelta é um mercado secundário para o comércio de tokens ERC20 – um tipo de token de criptomoeda baseado em Ethereum comumente emitido por empresas como parte de ICOs.

“Receber uma licença e dar boas-vindas à regulamentação é um grande passo para a formação da comunidade do futuro, mas pode ser uma estratégia dispendiosa para exchanges cujos proprietários querem obter o maior e mais rápido lucro com o mínimo esforço, sem assumir nenhuma responsabilidade com os clientes. A supervisão do regulador envolve trabalho operacional diário adicional para exchanges como a Covesting, bem como maior responsabilidade e total transparência. Em nossa própria experiência, como uma das primeiras plataformas no mundoa  receber a licença DLT, podemos dizer com confiança que quase não há nenhum aspecto de operações que não seja regulado pelo GFSC. Mas graças a isso, nossos clientes podem estar absolutamente certos sobre a legitimidade das operações”, disse Pruglo em um comunicado.

A Covesting, que está pronta para estrear o lançamento da sua plataforma de negociação de ponta, foi uma das primeiras empresas do mundo a receber uma licença DLT do GFSC. O recebimento de tal licença envia uma mensagem clara aos investidores de que a Covesting está elevando os padrões em todo o setor de criptomoedas. A obtenção de uma licença DLT confirma que uma empresa é totalmente compatível, possui forte infraestrutura operacional e padrões de segurança, e que a liderança da empresa possui o conhecimento necessário para manter os ativos mais seguros e protegidos. Essa licença também permite que as bolsas ofereçam a fiat gateways, entre muitos outros benefícios-chave que os clientes de uma bolsa licenciada podem esperar e desfrutar.

A regulamentação está rapidamente se tornando um aspecto operacional significativo, mesmo para as exchanges descentralizadas, apesar do fato de que isso aparentemente contradiz o próprio conceito de descentralização. Recentemente, a IDEX, uma das principais bolsas descentralizadas do mundo, transecionou para um modelo de verificação completo. A medida ocorre dias depois que a plataforma começou a excluir ex-residentes do estado de Nova York como parte de seus esforços de cumprimento. Essa medida foi chamada de “descentralização pragmática”. Explicando sua transição para um modelo KYC completo, a IDEX escreveu: “A descentralização existe em um espectro e, a menos que seu sistema ou aplicação não tenha partes centralizadas, ela pode estar sujeita à regulamentação {…} para cumprir as leis de sanções e lavagem de dinheiro”.

“O mercado de criptomoedas já está a caminho de se estabelecer firmemente em uma nova base totalmente regulada, e todos os participantes do mercado, que não querem jogar com as novas regras, inevitavelmente irão cair no esquecimento”, – Pruglo, CEO da Covesting, avisou.