BNDES Criará Token no Blockchain da Ethereum

Edifícios da Petrobrás e do BNDES no Rio de Janeiro (Foto: Rodrigo Soldon)

Nas últimas semanas circularam informações — algumas delas erradas — sobre a relação do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social) e criptomoedas.

A confusão se deu porque o banco trabalha agora com dois projetos paralelos — um dentro do blockchain da Ethereum e outro dentro de uma blockchain privada em parceria com o banco de desenvolvimento alemão KfW.

“Uma coisa é certa”, disse o gerente da área de tecnologia de informação do banco Gladstone Arantes ao Portal do Bitcoin, “não vamos adicionar nenhuma moeda em circulação”. Arantes fazia referência à informação de que o banco criaria uma moeda digital própria, o que é falso.

Em vez disso, o que vai acontecer é que o banco vai criar um token dentro do blockchain da Ethereum, que é pública. O objetivo é que o registro público das transações ajude a dar mais transparência aos financiamentos do banco.

Token com valor fixo

“O plano para o protótipo é rodar até maio no Espírito Santo”, disse Vanessa Almeida, também gerente da área de tecnologia de informação.

O projeto vai servir de ‘prova conceito’ aos futuros projetos do banco. O maior desafio do protótipo, de acordo com os gerentes, é conseguir associar num blockchain público endereços e CNPJ de maneira que seja possível identificar uma empresa.

Isso porque, na prática, o que vai acontecer é que o dinheiro do banco irá apenas para fornecedores registrados. Por exemplo, o fornecedor de asfalto, depois de cadastrado, receberá uma quantidade de tokens do BNDES, via Estado do Espírito Santo, cujo lastro será em Real. Os tokens depois serão “trocados” pelas empresas no banco pela moeda nacional. Cada unidade terá o valor fixo de R$ 1.

O público então poderá fazer um acompanhamento financeiro do projeto, conforme um vídeo que detalha o sistema interno do sistema. A promessa é que qualquer brasileiro possa ver quais são as empresas envolvidas nas transações.

O amigo alemão

O segundo projeto, também uma prova de conceito, está sendo gestado desde setembro em parceria com o banco nacional de desenvolvimento alemão KfW.

“Seremos o segundo node de um blockchain privado e nós mesmos seremos os mineradores”, diz Arantes. O software em questão, chamado de TrueBudget, vinha sendo desenvolvido pelo KfW para ser aplicado em países africanos para melhorar o rastreamento do uso do dinheiro de doações internacionais — que muitas vezes cai nas mãos de governos corruptos.  

No Brasil, o sistema será usado para rastrear as verbas do Fundo Amazônia cuja finalidade é captar investimentos não reembolsáveis para ações de preservação da floresta.

O projeto, porém, ainda está em uma fase bastante incipiente. Embora o plano seja fazer testes até maio, ainda não há confirmação de nenhuma empresa ou projeto para testar o novo sistema.

loading...