Bitmain encomenda 600.000 chips e pode aumentar em 50% o poder de mineração de bitcoin

Foto: Shutterstock

A maior mineradora de bitcoin do mundo, Bitmain, pode aumentar em 50% seu pode de mineração de bitcoin e passar a valer US$ 12 bilhões em poucos meses.

O motivo é que a empresa encomendou 600.000 novos chips para este segundo semestre, segundo uma fonte ligada à fabricante taiuanesa Taiwan Semiconductor Manufacturing Company Limited (TSMC).

De acordo com o jornal local Yibenchain, a fonte, que pediu para não ser identificada, disse que os chips encomendados são do modelo de 7nm e 16nm (nanômetros), com potência de pelo menos 50TH/s (terahash por segundo).

Com a ação, a empresa pode obter mais lucro e ainda se valorizar, pois se o preço do bitcoin sobe, o valor das máquinas acompanha. 

Desta forma, a empresa pode obter cerca de US$ 1 bilhão em lucros e poder sonhar com uma valorização de US$ 12 bilhões, que é praticamente a meta da empresa para entrar na bolsa.

Bitmain não desanimou

No ano passado, a empresa viu a maioria de seus planos fracassar, incluindo sua Oferta Pública Inicial (IPO). Durante os dois primeiros meses deste ano, a Bitmain teve perdas de cerca de US$ 630 milhões.

Em maio, chegou a reduzir 88% de seu poder de mineração de bitcoin, mas mesmo assim permaneceu otimista sobre o fortalecimento da indústria de mineração.

Bitmain na bolsa de valores

Ultimamente, a gigante chinesa está revendo seus planos para a IPO, visto que a requisição de listagem da bolsa de Hong Kong expirou em março deste ano.

Contudo, ainda para 2019, a Bitmain vê a possibilidade de abrir venda de ações na bolsa caso valorize os bilhões desejados.

Para isso, a empresa tem se reunido com especialistas na elaboração do projeto e, em seguida, poder apresentar o plano às autoridades financeiras dos Estados Unidos.


Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br

Receba nossa Newsletter

Quer receber as principais notícias e análises? Coloque seu e-mail abaixo!