Allex Ferreira: “Eu mudei de opinião: o Bitcoin não vai mudar o mundo”

Allex Ferreira:
(Foto: Shutterstock)

Logo quando conheci o Bitcoin, em meados de 2011, uma das primeiras convicções que sustentei era que aquela tecnologia mudaria o mundo.

No início do meu aprendizado sobre o protocolo, eu acreditava que todas as pessoas, em um futuro próximo, aceitariam o Bitcoin como meio de pagamento, que os governos não poderiam fazer nada para detê-lo e que a sociedade passaria a funcionar de maneira bastante diferente.

Entretanto, ao longo dos últimos oito anos, período no qual me dediquei exclusivamente a trabalhar e, principalmente, a aprender sobre Bitcoin, mudei completamente de opinião.

Não houve um evento cataclísmico que me fizesse abrir os olhos para aquilo que hoje considero a narrativa da fantasia do potencial revolucionário da invenção de Satoshi Nakamoto. Meu ceticismo desenvolveu-se de maneira praticamente orgânica conforme me aprofundei dentro da indústria do Bitcoin.

São vários os motivos que hoje me fazem discordar dos discursos propagados por libertários e anarquistas sobre a essência revolucionária do Bitcoin. O primeiro deles diz respeito ao fato dessa tecnologia ser um troço extremamente (repito: extremamente!) complexo e difícil de ser utilizado. Em outras palavras, não é para qualquer um.

É provável que o (a) estimado (a) leitor (a), neste momento, esteja pensando que não é tão difícil assim baixar uma carteira no celular e mandar um punhado de dígitos (satoshis) de um lado para o outro. Mas a verdade é que uma ínfima parcela da população mundial teria disposição e capacidade cognitiva para fazê-lo.

Dentro deste universo de pessoas, outra parte ainda menor estaria propensa a armazenar de maneira segura as chaves privadas associadas aos endereços públicos de Bitcoin.

Dona Maria e o Bitcoin

Aceito o contra-argumento de que a experiência de usuário (UX) relativa às carteiras ainda poderá evoluir muito no futuro, porém vale lembrar que, na última década, o avanço nesse sentido foi pifiamente tímido. Se a dona Maria não consegue usar o Bitcoin, não há motivo para crermos que ele vai mudar o mundo.

Outra recorrente narrativa bradada pelos teóricos de plantão diz respeito à soberania financeira individual oferecida pela tecnologia. Aqueles que argumentam que todas as pessoas precisam ser donas do próprio dinheiro, esquecem-se que a maioria delas não se importa nem um pouco que algum banco ou instituição financeira faça isso por elas. Se um banco oferece um serviço de forma honesta e eficiente, não há razão para não utilizá-lo.

Reconheço a necessidade de uma pequena e específica parcela da população em ter acesso a um instrumento financeiro teoricamente impossível de ser confiscável, como o Bitcoin, contudo acredito que a dona Maria prefira que a segurança do dinheiro dela esteja sob a responsabilidade de um banco. Afinal, nem todo mundo precisa ou quer guardar dinheiro em um pedaço de papel enterrado no fundo do quintal.

E o que dizer da volatilidade do preço do Bitcoin no mercado? Alguém em sã consciência acredita que algo que sobe ou desce tão violentamente em questão de segundos pode ser ser usado para intermediar transações comerciais?

Seria difícil para um trabalhador que recebe o salário em Bitcoin aceitar o fato de que seu dinheiro suado poderia perder valor tão inesperadamente. A verdade é que esta volatilidade serve apenas aos especuladores, que sonham em se tornar milionários da noite para o dia.

Até hoje, não consigo ver uma grande necessidade cotidiana para utilizar o Bitcoin, a não ser como um meio de mover fundos internacionalmente para evitar impostos e compliance. Vejo mais uma opção ao lado de tantas outras, como Western Union, TransferWise, Paypal etc.

Risco e impacto

E, ainda assim, esse tipo de operação com Bitcoin é feita sob um risco bastante elevado de alguém enviar “100” de um lado e chegar apenas “80” do outro, pois o preço despencou por algum motivo. Nesse caso, quem estaria disposto a arcar com a perda? Aquele que envia ou aquele que recebe?  

Também não consigo mensurar qual o impacto econômico para um país como o Brasil, que é um importador de Bitcoin, no qual as pessoas tiram dinheiro da economia utilizando a infraestrutura financeira paralela do Bitcoin.

Tenho certeza que os governos e órgãos reguladores estão pensando nas regras de funcionamento desse tipo de operação, que atualmente situa-se na área cinzenta da legislação.

Não tenho dúvidas que o Bitcoin continuará a evoluir e que talvez ele possa servir a mais pessoas do que simplesmente aquelas poucas que precisam dele no mundo hoje em dia.

Entendo a visão dos indivíduos que o enxergam como uma ferramenta financeira revolucionária, mas reitero minha opinião de que o Bitcoin não é, e nem provavelmente será, tudo isso que dizem por aí.

* Allex Ferreira é fotógrafo e negocia Bitcoin no mercado P2P desde 2011. Na China, esteve à frente de grandes operações de mineração de Bitcoin. Também escreve no blog Barão do Bitcoin, apelido pelo qual é conhecido na comunidade brasileira.

Receba nossa Newsletter

Quer receber as principais notícias e análises? Coloque seu e-mail abaixo!