Bitcoin está se tornando mais descentralizado: Pesquisa

(Foto: Shutterstock)

O Bitcoin está mais descentralizado. Essa foi a conclusão do estudo realizado pela empresa canadense de serviços financeiros Canaccord Genuity Group após analisar alguns fatores.

Baseado no hashrate, o relatório de fevereiroda empresa diz que o bitcoin era menos descentralizado no passado. No entanto, nos últimos anos, o “aumento da concorrência” entre os fabricantes de maquinas de mineração levou à diminuição da centralização.

Segundo a Canaccord, em meados de 2014, o pool de mineração GHash.IO controlava cerca de 50% do total de hash do bitcoin, fazendo com que a criptomoeda ficasse “vulnerável” a um potencial ataque de 51%.

Em 2019, no entanto, nenhum grupo de mineração controla mais de 20% do hash do bitcoin, com cinco pools de mineração tendo de 10 a 20% e os restantes grupos controlando menos de 10% do total.

O fator mais importante para o aumenta da descentralização, segundo a Canaccord, foi uma diminuição no avanço das ASICs [máquinas específicas para a mineração de bitcoin] e a comoditização das mesmas, permitindo assim uma maior competição na mineração do BTC.

A Bitmain, por exemplo, que é a maior fabricante de hardwares de mineração, teve uma forte concorrência da Canaan Creative devido à sua “incapacidade de produzir uma alternativa significativamente superior ao Antminer S9”, disse a empresa.

Citando a pesquisa da ARK Invest, o relatório afirma ainda que a centralização do bitcoin, medida pelo Índice Herfindahl-Hirschman (HHI), declinou de forma constante de ~ 3.000 em 2013 para ~ 1.200 atualmente.

O índice HHI é usado para medir a concentração do mercado. Um HHI inferior a 1.500 é considerado um “mercado competitivo”, um HHI de 1.500–2.500 é considerado “moderadamente concentrado” e um HHI de mais de 2.500 é considerado “altamente concentrado”, explicou a empresa.


3xbit

Inovação e segurança. Troque suas criptomoedas na corretora que mais inova do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://3xbit.com.br

Receba nossa Newsletter

Quer receber as principais notícias e análises? Coloque seu e-mail abaixo!