Bitcoin continua em alta e é negociado acima de R$ 20 mil

(Foto: Shutterstock)

O Bitcoin continua valorizando após ter rompido os US$ 5.000 na segunda (02), durante uma alta de mais de 20% no dia, e já é negociado a US$ 5.250.

No Brasil, a criptomoeda já ultrapassou os R$ 20 mil e é negociada a R$ 20.718 às 18:00, de acordo com o IPB.

Gráfico BTC/BRL do Índice de Preço do Bitcoin (IPB)

Desde a mínima anual de R$ 12.300, atingida em fevereiro, o BTC acumula valorização de 65%.

Nas últimas 24 horas, mais de US$ 22 bilhões foram negociados em bitcoin nas principais exchanges globais, um aumento de mais de 100% em relação à média diária da semana passada.

O Portal do Bitcoin conversou com especialistas que afirmaram que os motivos da alta vão desde o rompimento da antiga resistência em US$ 4.200 até uma propensa aceitação da SEC ao ETF de Bitcoin.

Fernando Ulrich, economista-chefe da XDEX, no entanto, disse que um movimento súbito como esse não se sustenta no longo prazo:

“Não se sabe algum catalizador específico. Uma alta dessas, quando é muito rápido assim, não se sustenta a longo prazo.”

Rede congestionada

Com o aumento do preço e a volta da atenção dos investidores ao mercado, a rede do Bitcoin voltou a congestionar e acumula mais de 70 mil transações não confirmadas.

De acordo com o Bitcoinfees, no momento da redação, para uma transação média ser efetuada no próximo bloco (35 minutos no máximo), seria necessário uma taxa de 23.850 satoshis (0,00023850 BTC), aproximadamente R$ 4,60.

Criptomoedas em alta

O valor de mercado total dos criptoativos volta a se aproximar dos US$ 200 bilhões, com Bitcoin Cash valorizando mais de 70% em menos de 48 horas e liderando os ganhos das criptomoedas.

Litecoin, EOS, Cardano e Bitcoin SV valorizam mais de 20% nas últimas 24 horas enquanto Stellar, TRON e XRP têm ganhos de 10%.


3xBit

Inovação e segurança. Troque suas criptomoedas na corretora que mais inova do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://3xbit.com.br

Receba nossa Newsletter

Quer receber as principais notícias e análises? Coloque seu e-mail abaixo!