Allex Ferreira: Anarcobobos e a praga das ideologias em torno do Bitcoin

Allex Ferreira: Anarco-bobos e a pragas das ideologias em torno do Bitcoin
(Foto: Shutterstock)

Os fanáticos afirmam que o Bitcoin acabará com as moedas nacionais, que substituirá o ouro e se tornará a principal reserva de valor do mundo, que os bancos centrais se afogarão em suas políticas monetárias expansionistas e que, no futuro, haverá somente este ativo digital para satisfazer as necessidades de intercâmbio comercial da humanidade.

Também dizem que “imposto é roubo”, que o Estado não serve para nada e que o Bitcoin é a salvação que todos aguardavam em direção a um mundo de liberdade inesgotável.

Estes são alguns discursos ideológicos mais comuns em torno do Bitcoin. Eles são sustentados por diferentes grupos, como os seguidores da Escola Austríaca de Economia, os libertários, os anarcocapitalistas (anarcobobos), os bitcoiners maximalistas e por aí vai.

E por que não citar a existência de uma comunidade de pessoas que une a dieta carnívora (isso mesmo, eles comem apenas carne vermelha crua) com o Bitcoin?

Por que tanta gente acredita que é necessário acreditar ou fazer parte de alguma corrente ideológica para pertencer à comunidade do Bitcoin ou até mesmo para usá-lo? Eu não compartilho de nenhuma visão ideológica sobre o Bitcoin e o utilizo há vários anos.

Será que não é possível enxergá-lo a partir da sua simples utilidade prática?

Teorias e Bitcoin

De acordo com Steven Novella, neurologista da Escola de Medicina da Universidade de Yale Steven Novella, ideologia “é algo que você acredita simplesmente porque acredita”. Para ele, “a ideologia, no sentido mais amplo, é a maior inimiga do pensamento racional”.

Tomemos como exemplo a ideologia ao redor da ideia de livre mercado (free market), tão propagada pelos adeptos da Escola Austríaca de Economia.

Para eles, os serviços públicos oferecidos pelo Estado deveriam passar para as mãos invisíveis do mercado. Eles possuem base empírica para sustentar essa posição? Não! Eles simplesmente acreditam nisso, assim como pessoas religiosas acreditam na existência de deus.

Talvez o sinal mais claro de que um sistema de pensamento possa ser qualificado como ideologia é a suposição de possuir todas as respostas relevantes, muitas vezes antes mesmo de conhecer as questões relevantes.

Voltando ao exemplo do livre mercado, os proponentes desta ideologia garantem entender o papel apropriado do governo e do mercado em todas as situações possíveis, mesmo antes dessas situações surgirem.

Não importa o tamanho do problema econômico que estamos enfrentando, eles têm a certeza de que a solução reside na ideia de que as forças de mercado resolverão qualquer problema que surgir e que o egoísmo de todos fará a sociedade mover em uma direção positiva.

Qualquer semelhança com o pensamento de que o Bitcoin é capaz de prover todas as respostas para os problemas econômicos mundiais que existem ou que virão a existir não é mera coincidência.

A maioria das pessoas parece predisposta a se identificar com certas ideologias que estão de acordo com os valores que elas julgam ser os mais adequados para si.

Em seguida, elas transformam esses valores em verdades absolutas e caminham em direção à cegueira completa, sendo muitas vezes intransigentes e incapazes de considerar opiniões divergentes.

As ideologias são ainda mais perigosas quando elas se tornam uma fonte de identidade para o indivíduo, pois qualquer pensamento contrário transforma-se em uma crítica à pessoa em si. Assim, sempre que alguém critica determinada ideologia ela se torna automaticamente uma inimiga da pessoa cuja ideologia foi criticada.

A ideologia também leva nossas habilidades cognitivas a defenderem o posicionamento mais primitivo e emocional que nosso cérebro possa se identificar ao invés de tentar encontrar a melhor resposta para determinada situação.

As ideologias criam uma situação de “nós contra eles” e reforçam nosso instinto tribal.

Qual a alternativa?

Eu acho que é melhor considerar cada questão por si só em seus próprios méritos. Isso não significa ignorar a probabilidade anterior ou a ciência e filosofia estabelecidas. Isso significa considerar tudo da maneira mais objetiva e racional possível.

Isso também significa distanciar-se emocionalmente de qualquer ideia que possa formar uma identidade e servir como uma barreira para o seu pensamento.

Usar crenças ideológicas como base para resolver problemas sociais tremendamente complexos não é o caminho mais adequado.

Do ponto de vista da abordagem científica, alguns tipos de problemas poderiam ser melhor resolvidos ao aperfeiçoar-se provas empíricas já existentes.

Enquanto que outros tipos de problemas seriam melhor resolvidos a partir do desmantelamento das visões existentes com objetivo de encontrar novos mecanismos em sintonia com as novas realidades do mundo moderno.

A maneira de realmente atacar e resolver problemas requer que você realmente compreenda o problema e esteja pronto, disposto e apto a aplicar qualquer tipo de pensamento que seja necessário.

Por isso, acredito que a abordagem cética e prática é a mais apropriada ao Bitcoin. Não podemos transformar uma coisa que serve para mandar dinheiro daqui para lá em alguma teoria econômica mirabolante que vai reinventar a roda ou salvar o mundo das garras de governos malditos.

* Allex Ferreira é fotógrafo e negocia Bitcoin no mercado P2P desde 2011. Na China, esteve à frente de grandes operações de mineração de Bitcoin. Também escreve no blog Barão do Bitcoin, apelido pelo qual é conhecido na comunidade brasileira.

Receba nossa Newsletter

Quer receber as principais notícias e análises? Coloque seu e-mail abaixo!