Brasileiro acusado de pirâmide de ‘bitcoin’ que deu golpe de R$ 200 milhões é encontrado morto

(Foto: Reprodução)

O corpo de Márcio Rodrigo dos Santos, um dos líderes do esquema de pirâmide financeira com bitcoin, D9 Clube de Empreendedores, foi encontrado carbonizado dentro do porta-malas de um carro na madrugada do dia 13 de setembro em Balneário Camboriú, em Santa Catarina.

De acordo com o UOL, a polícia aponta vingança como motivação no assassinato do autointitulado marqueteiro do golpe que deu prejuízo de R$ 200 milhões a centenas de pessoas no Brasil e no exterior.

No ano passado, Rodrigo havia sido denunciado pelo Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul (MP-RS) como um dos líderes do grupo de fraudadores e acabou sendo preso. No entanto, ele foi libertado e continuou a cometer as falcatruas.

“Ele não parou depois que deixou a prisão”, disse uma pessoa próxima a ele, segundo a reportagem.

A Polícia Civil catarinense disse que há três meses Rodrigo trocou mensagens de celular com dois investidores — supostamente lesados por ele. Eles marcaram, então, o encontro que teve como desfecho o homicídio.

O delegado Vicente de Assis Soares, chefe do Departamento de Investigações Criminais de Balneário Camboriú (DIC), afirmou que “pelo menos dois homens participaram do crime”.

Ele aponta que a ação foi executada em razão dos prejuízos financeiros que Rodrigo provocou aos suspeitos.

“Foi um crime premeditado. Um deles disse que a culpa era do outro, mas não houve uma confissão formal de nenhum dos dois. Há suspeita de que há mais gente envolvida no homicídio e a investigação continua aberta”, disse o delegado ao UOL.

Os suspeitos estão detidos no presídio de Canhanduba, em Itajaí (SC).

Ainda não se sabe de que forma Rodrigo foi assassinado. Conforme a reportagem, o laudo cadavérico concluiu que ele já estava morto quando seu corpo foi queimado.

A perícia já descartou o envolvimento de armas de fogo na ação dos criminosos. A identificação de Márcio Rodrigo dos Santos não foi dada como confirmada, pois é aguardado o resultado de um teste de DNA.

No entanto, o chefe do DIC disse que é quase 100% certeza de que seja o ex-líder da D9.

Caso D9 Clube

Em julho deste ano, a Justiça da Bahia ordenou a prisão de sócios da D9 Clube de Empreendedores por operarem um esquema fraudulento com bitcoin em vários estados do país.

Segundo a polícia, o fundador da empresa, Danilo Santana, é o cabeça do esquema. Ele contou com a colaboração de seus familiares para comandar o golpe financeiro.

As pessoas eram estimuladas a criar uma conta virtual, fazer um depósito para comprar bitcoin e depois chamar outras pessoas para os negócios.

Eles tinham a promessa de um rendimento de 33% por mês com a criptomoeda.

Desta forma, o sistema de pirâmide ia se formando gradativamente. Cada novo membro financiava um membro acima da cadeia.

A plataforma, que lesou pelo menos 1300 clientes somente no Brasil e era disfarçada como site de apostas, na verdade era um ninho de estelionato, lavagem de dinheiro e organização criminosa.


BitcoinTrade

Baixe agora o aplicativo da melhor plataforma de criptomoedas do Brasil Cadastre-se e confira todas as novidades da ferramenta, acesse: www.bitcointrade.com.br