6 cenários improváveis para as criptomoedas em 2019 de acordo com a ICOBox

Esta é uma publicação paga. O Portal do Bitcoin não endossa e não é responsável por nenhum conteúdo, precisão, qualidade, publicidade, produtos ou outros materiais nessa publicação.

(Foto: Shuttertosck)

Após as altas insanas das criptomoedas em 2017 e sua queda em 2018, o próximo ano, de acordo com aqueles que sabem, pode ser um ano de relativa calma, que às vezes pode parecer estagnação. Isso permitirá que o mercado faça uma pausa, descobrir o ambiente regulatório e determinar a direção de seu desenvolvimento.

Nós da ICOBox estamos bastante certos de que isso é exatamente o que acontecerá, mas, independentemente disso, montamos uma lista de seis previsões improváveis, chocantes e até mesmo fantásticas para o mercado de criptografia de 2019, cada uma das quais pode atuar como um catalisador para o próximo crash ou o próximo boom. Por favor, não confie em nossas ideias ao decidir apoiar um determinado projeto e não tome nossas previsões como algo que acontecerá em parte ou na íntegra.

1. Nasdaq vai engolir Binance por US $ 1 bilhão

No início de dezembro, a Nasdaq, uma das maiores bolsas de valores do mundo, confirmou oficialmente que lançaria uma plataforma de criptomoedas na primeira metade de 2019. A nova plataforma estará no ar assim que a A Commodity Futures Trading Commission (CFTC) dos EUA conceder a aprovação necessária. Não é implausível que, uma vez que isso aconteça, a Nasdaq tentará adquirir a Binance – a maior plataforma de negociação de criptomoedas. O negócio pode ser extremamente vantajoso para ambas as partes. Devido à crise em curso no mercado de criptomoedas, o número de transações ativas na Binance caiu 90% em comparação com janeiro deste ano. E mesmo em uma de suas recentes entrevistas, Changpeng Zhao, CEO da Binance, afirmou que sua empresa não está preocupada com a queda no volume de negócios, ele provavelmente não está sendo perfeitamente sincero aqui – ignorar esses números seria impensável.

A Nasdaq, por sua vez, nunca negou seu interesse no mercado de criptomoedas e, uma vez obtida a aprovação da CFTC, eles terão todos os ases para prosseguir com o plano.

Bitstamp, que ocupou o 11º lugar no mundo em termos de volume de negócios de 24 horas, foi vendida este ano por US$ 400 milhões. Portanto, não é razoável esperar que a Binance tenha um valor menor que US$ 1 bilhão.

2. Na Crise Mundial, 10 Países lançarão suas Criptomoedas

A era do crescimento econômico dos EUA está chegando ao fim, e os investidores estão vendo os primeiros sinais da iminente recessão: o spread de rendimentos entre títulos do Tesouro dos EUA longos e curtos recentemente despencou e aterrissou no território negativo. A última vez que isso aconteceu foi em 2007, pouco antes do infame colapso do Lehman Brothers.

Isso aponta para uma probabilidade de uma crise econômica global em 2019, que desencadeará outro colapso monetário no mundo em desenvolvimento. Para evitar isso, os pequenos países podem tentar “digitalizar” seu dinheiro, seguindo o exemplo de vários países que estão sob sanções econômicas. Ao criar novos meios de pagamento virtuais, eles tentarão evitar uma questão maciça de moeda fiduciária e a consequente inflação colossal.

Depois da Venezuela e do Irã, a Ucrânia está realizando testes. A exchange ucraniana Kuna tem estado ocupada desenvolvendo uma stablecoin nacional (nome de trabalho “cryptohryvnia”) desde 2017. A nova moeda terá propriedades de vários tipos de moedas dependendo da transação e será usada como alternativa ao curso legal tradicional.

É pouco provável que essas criptomoedas sejam de grande utilidade nos assentamentos internacionais em caso de colisão maciça das moedas nacionais ou aumento das sanções. Com efeito, é muito mais provável que, se o dólar fosse eliminado como instrumento principal de liquidação, fosse substituído pelo euro. Mas o uso de criptomoedas nacionais pode ser bastante eficaz para evitar o pânico público nos mercados locais e entre os cidadãos. Não podemos excluir que até 10 novos países estejam lançando suas criptomoedas no caso de uma crise global.

3. Ethereum vai cair para US$ 1

Como a maioria das principais criptomoedas, o Ethereum disparou entre dezembro de 2017 e fevereiro de 2018. Ao mesmo tempo, o número de ICOs lançadas e concluídas com sucesso também diminuiu rapidamente, e essas tendências estavam definitivamente relacionadas. O blockchain do Ethereum permite criar e emitir novos tokens facilmente – uma característica muito apreciada pelas novas startups, já que a grande maioria dos projetos que conduzem ICOs foi baseada nas capacidades da Ethereum.

O “inverno nuclear” do mercado de criptomoedas, que foi acompanhado pela queda de 70% na capitalização de mercado, o colapso de todas as principais criptomoedas e a grande mudança de ICOs, podem fazer com que a Ethereum perca a maior parte de seu valor. E mesmo o cenário de US$ 1 não parece impossível neste momento.

4. Bitcoin será a única moeda top 50 a continuar sendo minerada

O colapso global das principais criptomoedas causou um colapso na indústria de mineração. As coisas ficaram tão ruins que os mineiros chineses começaram a vender seus equipamentos de mineração como sucata. A Nvidia, uma das maiores fabricantes mundiais de placas gráficas para jogos, que são usadas para mineração, anunciou que estará se afastando da indústria de criptografia depois que suas vendas nesse mercado caíram 5,5 vezes.

Enquanto a situação na indústria, a mineração corporativa é crítica, mas ainda não é desesperada, a rentabilidade da mineração de criptomoedas para mineradores individuais de pequeno porte é quase zero. Isso torna bem possível que, em 2019, o bitcoin continue sendo a única moeda lucrativa a ser extraída dos 50 principais rastreados pela CoinMarketCap.

Considerando que a participação de mercado da moeda permanece acima de 50%, e é improvável que essa situação mude em breve, esse cenário não pode ser excluído.

5. STOs vão conquistar uma fatia de 10% do mercado de valores mobiliários

A contínua estagnação na indústria criptográfica, o número decrescente de ICOs, a falta de regulamentação legal concisa e definitiva, a quebra de todas as principais criptomoedas e sua volatilidade selvagem estão fazendo com que o mercado busque novas rotas de desenvolvimento. Pequenos jogadores que muitas vezes não passaram da coleta inicial de dinheiro serão substituídos por grandes investidores, incluindo investidores institucionais. Eles estão procurando por um ambiente diferente e regras claras e transparentes do jogo. É por isso que estamos assistindo ao nascimento de um segmento de mercado totalmente novo, mas extremamente promissor – o dos security tokens, que atendem aos requisitos regulatórios e o acesso aberto ao capital tradicional para startups. Este é um instrumento bem compreendido e familiar para os players profissionais do mercado, e todos os sinais apontam para 2019 se tornando um ano de STOs (Security Token Offerings), que substituirá as agora obsoletas ICOs.

6. Os bancos centrais converterão 20% de suas reservas em bitcoins; BTC vai subir até US$ 200k

Recentemente, a Autoridade Supervisora ​​do Mercado Financeiro Suíço (FINMA) determinou a quantidade máxima de ativos criptográficos compartilhados no capital total dos bancos do país. O limite é definido em 4%. Levando em conta que a Suíça está ansiosa para se tornar uma das líderes mundiais no espaço criptográfico e que muitos dos governos do mundo procuram o país para orientação em gestão bancária, esta decisão tem toda a chance de se tornar o princípio fundamental para outras grandes instituições financeiras. instituições.

No entanto, quando o número de 4% foi anunciado pela primeira vez, o regulador suíço provavelmente estava considerando o atual potencial de mercado em vez da provável situação de crise financeira global que mencionamos anteriormente. A nova crise pode causar o colapso do preço do ouro. Foi o que aconteceu em 2008, quando o mundo passou pelas paralisações econômicas mais devastadoras desde a Grande Depressão. Em 2008-2009, o preço do ouro caiu de mais de US $ 1.000 para US $ 700 por onça. Uma nova quebra no preço do metal mais precioso do planeta forçará os bancos a encontrar rapidamente refúgios alternativos seguros para suas reservas em rápido desaparecimento – e 20% deles podem ser convertidos em bitcoin. O que fará com que o preço do bitcoin suba para US$ 200 mil.